Superação, o elemento mágico da escrita

Meu relacionamento com a escrita foi sendo construído em doses homeopáticas ao longo dos meus tropeços pela vida. Tenho certeza de que não seria a pessoa que sou hoje se não a tivesse usado como ferramenta para superar meus conflitos, pedir ajuda, descrever minhas experiências e criar, sempre que precisei, universos onde eu me encaixava perfeitamente, sem qualquer transtorno.

.

.

Não tenho como quantificar as vezes que escrevi para desabafar em textos que tinham destinatários fora ou dentro de mim. No entanto, foi na adolescência que essa ferramenta provou seu valor.

Nos conflitos internos e nas dificuldades para exteriorizar minhas bagunças mentais por meio da fala, não me sobrava muito campo de ação a não ser resolver esses conflitos fazendo uso da única ferramenta que eu dominava: escrever. Atendendo a um pedido de minha mãe, passei a visitar uma psicóloga semanalmente. As seções, no entanto, não eram muito proveitosas porque eu ainda não estava capaz, naquele momento, de soltar minhas próprias travas. Não conseguia sequer cuspir impropérios contra a vida, muito menos desabar-me em lágrimas para lavar minhas tristezas. Descobri então que conseguia fazer meu coração falar por um canal muito mais lógico, simples e organizado. Fiz terapia com caneta e papel. E com essa tinta mágica, registrei no meu caminho a palavra superação.
Na mesma época, produzi incontáveis textos e alguns livros que se perderam pela minha juventude. Parte desse material sobreviveu e permanece guardado como troféu de uma luta difícil, travada contra inimigos que eu desconhecia em um momento propício à ebulição de emoções.

Lá pelos 16 anos tive a única paralisia do sono diurna de toda a minha vida. O coração confuso misturou-se ao pavor da experiência e, depois de acordada e mais calma, rascunhei um texto sobre os sentimentos de um garotinho que vivia triste e perdido. Essa historinha virou um livrinho chamado O Caminho e foi uma das muitas vezes que a escrita me salvou de um colapso, permitindo-me organizar minha própria confusão e encarar meus medos.

Escrever é uma ferramenta de autoconhecimento, mas é, acima de tudo, uma ferramenta de conhecimento. Do mundo, das pessoas, das dores e dos amores, das possibilidades e das impossibilidades, do que move o mundo e do que atrasa o progresso da vida.

A escrita pode levar os pais a reconhecerem a dor e a alegria do filho, já vi acontecer muitas vezes. Usando-a com sabedoria, ela pode servir de mapa para tirar um ente querido, ou um paciente, da beira do precipício. Com ela a gente puxa o fio da superação.

Já adulta, uma doença levou meu pai embora e a escrita me serviu novamente como consolo e pedido de socorro durante todo o processo de despedida. Dessa vez, escrevia a Deus, ou a alguém que me ouvisse do lado desconhecido da vida, e chorava meus tormentos no computador no trabalho. Coloquei naquelas milhares de linhas o meu adeus parcelado e doído ao meu eterno ídolo. Com ele, morreram secas todas as minhas palavras e nunca mais escrevi nada que rebentasse dentro de mim.

Minha produção de palavras passou a trabalhar então, exclusivamente, para a empresa e foi usada extensivamente em atas, relatórios e textos técnicos durante todo o período em que estive por lá.

Oito anos depois, quando despertei na cama do CTI com a certeza de que meu tórax rasgaria com a respiração, eu sabia que, apesar de parecer impossível, eu era capaz de superar aquilo tudo. No entanto, a escrita não me ocorreu de pronto. Andava ainda árida, afastada dela, mergulhada em um poço de tristezas e decepções, muito longe de mim mesma. Esse primeiro período superei escrevendo de outra forma: com a luz. Com esta caneta invisível compunha fotografias, capturava as montanhas e as belas paisagens da serra fluminense durante as muitas trilhas que colocaram meu pulmão à prova. Como consequência disso, comecei a contar minhas aventuras em um blog de viagens pessoal, fazendo, aos poucos, as pazes com as palavras.

No ano seguinte foi a vez de a minha mãe partir e a escrita original continuou enterrada no meu inferno pessoal, amordaçada no calabouço dos meus próprios assombros.

Meu marido foi essencial no processo de reconciliação com as palavras. Ele mesmo um escritor, insistia para que eu voltasse a escrever. Dizia que a autopublicação digital estava aí, pronta para me receber. Produzi um pequeno romance, que autopubliquei sob pseudônimo e, pouco depois, durante um sonho lúcido, reencontrei-me definitivamente com a grande amiga da minha caminhada, de cuja amizade jamais pretendo abrir mão novamente.

Quando escrevemos, jogamos um pouco de nós no mundo, doando para quem lê parte de quem somos. Escrever é superar-se.

Por isso, desejo ver florescer, cada vez mais, todo o tipo de escrita neste país, pois ela pode servir como catarse para esse povo tão cheio de desenganos.

Por que escrevendo a gente se lê, e se lendo a gente se cura.
.

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

2 comentários para Superação, o elemento mágico da escrita

  • Kyanja Lee  diz:

    Adorei o seu artigo/relato confessional sobre a transformação e importância da escrita em sua vida, Camila. O efeito terapêutico das palavras está totalmente exemplificado em sua pessoa!

    • camilaguerra  diz:

      Muito obrigada, Kyanja!
      Não mencionei no artigo, mas em alguns momentos da vida em que a autoestima estava abaixo do chão, saber que eu conseguia escrever um texto direito me fazia um bem incrível. Escrever sempre foi, para mim, uma salvação. Gostaria que fosse para muitos pessoas também… é uma ferramente subvalorizada, infelizmente.
      Obrigada pela visita e pelo comentário.
      Abraços!

Deixe um comentário

Você pode usar as seguintes tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>